All Posts By

Silvia Resende

Mudar Para Portugal É Mais Fácil Do Que Você Pensa!

By | Artigos, Viver em Portugal | No Comments

Seja pelos impactos da pandemia de Covid em nossas vidas, seja pela turbulência política que aflige muitos países, ou simplesmente pelas melhorias nos transportes e nas comunicações, a verdade é que muitas pessoas estão decidindo mudar de país e recomeçar suas vidas em lugares totalmente novos. A procura por Portugal como novo destino de residência tem crescido bastante nos últimos anos. Esse pequeno e charmoso país localizado no oeste da Europa, com clima ameno e rica gastronomia, tem sido destino de muitos. Seu custo de vida ainda é bastante baixo, se comparado a outros países do Velho Mundo, incluindo os preços de habitação. O fato de ser um lugar perfeitamente seguro e com uma economia estável, completa a lista das maiores exigências dos expatriados.  E você sabia que mudar para Portugal é muito mais fácil do que se imagina? Nós mostramos os caminhos.


Como residir legalmente em Portugal

 

Só terá direito a um passaporte português aquele que for português originário ou naturalizado. Claro que se você tem um antepassado nativo de Portugal terá sempre muito mais chances de obter a segunda cidadania e migrar para o país. Mas nem todos têm essa opção. Para quem não é descendente de português ou de judeu sefardita, e nem está casado com um cidadão português, será necessário encontrar alternativas. A residência legal em Portugal pode ser um dos caminhos para obter a cidadania por naturalização. E há diversas maneiras de residir legalmente no país.

Cidadania Portuguesa: Quem Tem Direito e Como Solicitar?


Investir em Portugal: obter passaporte através do Golden Visa

 

Uma das vias de obtenção da cidadania portuguesa – e seu passaporte – é através de investimentos no país. O Golden Visa Portugal é considerado o melhor programa de residência para atividade de investimento em todo o mundo. Possui excelente reputação, baixos custos (se comparado com programas similares), regras generosas de reagrupamento familiar e requisitos simples para a obtenção da cidadania. 

O investimento pode ser realizado através da aquisição de imóveis, aplicação em fundos de investimento, patrocínios culturais e científicos, ou abertura de empresas com geração de empregos. O montante mínimo a ser investido é de 250 mil euros, por um período de 5 anos. Após esse período, seu titular e familiares poderão requerer a autorização de residência permanente ou a cidadania portuguesa.

Conheça o Golden Visa Portugal de 280 mil euros


E uma ressalva: durante esses 5 anos em que mantiver seu investimento, poderá viver em Portugal, mas apenas se assim o desejar. Caso a mudança seja um plano a longo prazo, poderá continuar residindo no seu país de origem, tendo somente que estar em Portugal por um período de apenas 7 dias por ano. Perfeito para investidores estrangeiros. Após estes 5 anos, poderá solicitar a cidadania portuguesa.

Em suma: para quem possui recursos financeiros e deseja rentabilizar seu patrimônio, essa pode ser a opção ideal: a mais fácil e mais rápida de se tornar um cidadão português. 

 

Clique aqui e esclareça todas as suas dúvidas sobre o Golden Visa Portugal


Mudar para Portugal como nômade digital

 

Temos que aceitar que após a pandemia de Covid-19 o conceito de trabalho remoto vem sendo cada vez mais difundido entre as empresas e aplicado na prática pelos trabalhadores. Muitos serviços podem ser desempenhados à distância, o que possibilita uma grande liberdade para aqueles que desejam se aventurar em um novo país.

Portugal tem um custo de vida baixo e uma qualidade de vida alta, o que o torna simplesmente irresistível para muitos nômades digitais. Além disso, sua internet ultra veloz e o fato de sua população falar muito bem o inglês complementam um cenário perfeito.  

Atualmente o Visto D7 vem sendo aplicado como alternativa de visto para os que desejam trabalhar remotamente de Portugal, mas o governo português acabou de promulgar a criação de um novo visto destinado exclusivamente para esse público. Prestes a entrar em vigor, deverá atrair mais estrangeiros ao país.

 

Portugal Considerado o Paraíso Para o Trabalho Remoto

 

Move to Portugal


Viver como aposentado em Portugal

 

Centenas de aposentados americanos estão migrando para Portugal em busca de coisas tão simples como: dias ensolarados, comida saudável, segurança e, principalmente, atendimento médico de qualidade a baixo custo.

Para solicitar um Visto de Detentor de Renda Passiva (o Visto D7) é preciso comprovar uma renda mínima mensal de 705 euros, e possuir 12 vezes esse valor depositado em conta corrente. Um montante baixo para o padrão americano. Não é à toa que tantos estão comprando imóveis em Portugal e assentando de vez no país. 

O visto D7 é destinado aos detentores de renda passiva. No grupo estão incluídos não só os aposentados, mas todos aqueles que possuem rendimentos provenientes de aluguéis, pensões, propriedades rurais,  investimentos em fundos e bolsa de valores, rendimentos com origem em propriedade intelectual ou industrial, entre outros.

 

Lisbon x San Francisco x New York: Comparação dos Custos de Vida

E dá para viver com 705 euros ao mês?


Eis uma pergunta tão comum quanto subjetiva!  Viver sozinho com esse valor pode não ser tão confortável, caso deseje residir em cidades grandes, como Lisboa e Porto. Mas para um casal, com uma renda mensal de 1.500 euros, já podemos dizer que, sim, dá para viver bem. Além disso, as cidades do interior possuem custos de moradia muito mais baixos, o que torna totalmente viável viver com uma renda de até mil euros por mês.

Custo de vida em Portugal: quanto custa viver no país em 2022?


Mudar para Portugal montando um negócio no país 


Um país em constante desenvolvimento, com uma economia estável e o turismo em franca expansão: investir em Portugal pode ser um ótimo negócio e também um excelente caminho para obtenção de autorização de residência. O governo português não estipula um montante mínimo de capital a ser investido na abertura de uma empresa, dentro do processo de requerimento do  Visto para Empreendedores (chamado de Visto D2). Tampouco se exige um número mínimo de postos de trabalho a serem criados no negócio. É preciso, entretanto, apresentar um plano de negócios e justificar a relevância empresa. Requisitos simples de cumprir.

E já que Portugal não é um país com baixo custo de vida, o montante a ser investido na abertura de uma empresa pode ser bem atraente para muitas pessoas. Se algum dia pensou em ter o seu próprio negócio e ser o seu próprio patrão, por que não colocar essa ideia em prática em Portugal?

 

Visto D2 Portugal : O Visto para Empreendedores e Profissionais Autônomos

 

Estudar em Portugal é muito bom!


Não importa sua idade ou área de atuação. Estudar em Portugal pode ser um ótimo investimento na sua carreira e uma excelente experiência pessoal. Portugal possui mais de uma centena de universidades, institutos politécnicos e Escolas Superiores. Recentemente,
4 escolas de negócios portuguesas se destacaram no top 50 do Finantial Times.  Se optar por um curso com duração superior a um ano, poderá solicitar um Visto de Estudo. Esse é o modo de migrar mais rápido, fácil e barato. 

 

Portugal é o melhor lugar da Europa para viver

 

Portugal foi considerado o melhor destino da Europa para morar, de acordo com ranking da Expat Insider. Tem ganhado destaque em inúmeras publicações ao redor do mundo, atraindo muitos novos residentes. Se você também está interessado em ir viver nesse charmoso país, fale com os consultores da Atlantic Bridge e constate você mesmo que mudar para Portugal é muito mais fácil do que você imagina.

 

Lisboa é a melhor cidade portuguesa para viver, visitar e fazer negócios

By | Artigos, Portugal | No Comments

Lisboa é a melhor cidade portuguesa para viver, visitar e fazer negócios. A capital do país continua afirmando-se como a marca municipal mais forte de Portugal, com uma forte projeção internacional para turistas, investidores, estudantes e profissionais e rivalizando com outras grandes cidades europeias. É o que mostra o Portugal City Brand Ranking© 2022, que analisou 380 municípios do país. A segunda colocação no ranking foi ocupada pelo Porto, medalha de prata em todas as categorias. Lisboa e Porto ocupam as primeiras colocações nesta pesquisa desde 2014.

Como morar em Lisboa: o guia para viver na capital portuguesa

 

Categoria Visitar:

Na categoria “Visitar” Albufeira ocupa pela primeira vez a terceira posição do ranking desde a edição de 2015, enquanto Portimão e Sintra conseguem os seus melhores resultados de sempre, agora na quarta e quinta posições, respectivamente. Ainda na categoria “Visitar”, Cascais sai pela primeira vez desde 2014 do Top 5, estando agora na 6ª posição. É seguida de Vila Nova de Gaia (7ª posição) que na edição de 2021 estreou no Top 10, e em 2014 nem aparecia em nenhuma das 25 primeiras posições do ranking.

Braga sai do Top 10 pela primeira vez desde 2015 e Matosinhos assume a 12º posição, seguido de Coimbra e Évora, ambos descendo duas posições.

 

Categoria Negócios:

Na categoria de Negócios, os municípios com melhor desempenho são Lisboa, Porto e Cascais. Braga subiu dois lugares, ficando na quarta posição e voltando ao lugar registado em 2015. Ainda no Top 5 está Coimbra. Leiria registou o melhor resultado de sempre ao subir três posições para o 6º lugar. Funchal aparece em seguida, na 7º colocação.

 

Como é desenvolvido o Portugal City Brand Ranking

A pesquisa, realizada pela Bloom Consulting há 8 anos, mede o desempenho socioeconômico de municípios portugueses nas dimensões de Negócios (Investimento), Visitar (Turismo) e Viver (Talento). Para tal foram analisados e contrastados dados estatísticos (económicos, turísticos e sociais) provenientes de mais de 5 mil fontes de informação, incluindo INE e Pordata.

Junto à coleta destes dados, o ranking também se baseou na medição de todas as pesquisas online referentes a esses municípios, realizadas nos principais motores de busca em todo o mundo. Nesse sentido, foram usadas milhões de combinações de palavras em múltiplos idiomas, utilizadas por potenciais turistas, investidores, trabalhadores, estudantes ou cidadãos em geral sobre países, regiões, municípios e cidades em todo o mundo.

Por fim, também foi ponderada as ações de comunicação e promoção levada a cabo por cada município, através do seu website e outras redes sociais. Os desenvolvedores do ranking defendem, que o primeiro ponto de inspiração para viajar, investir, procurar novo local para trabalhar ou estudar passa pela realização de pesquisas online.

O estudo tem por missão entender a realidade das marcas territoriais portuguesas e aferir o impacto que cada uma delas tem, a cada ano, na realidade de atração de talentos para o país.

 

Tudo Sobre o Visto D7: O Visto dos Aposentados e Titulares de Rendimentos

By | Artigos, Vistos para Portugal | No Comments

O Visto D7 Portugal é uma modalidade de visto destinado à quem possui rendimentos passivos próprios e que, desta forma, pode não apenas se sustentar como também gastar o seu dinheiro no país, como é o caso dos aposentados.  

Naturalmente, quanto mais renda você tiver maior a probabilidade de êxito no seu pedido de visto. Da mesma forma, rendas estáveis e recorrentes são sempre preferíveis à vista do governo português. Contudo, objetivamente, para estar apto a realizar um pedido de Visto D7 em Portugal é necessário comprovar, pelo menos, uma renda passiva mensal mínima de 705€ (atual salário mínimo português), com a seguinte valoração per capita em cada agregado familiar:

  1. Primeiro adulto 100 %;
  2. Segundo ou mais adultos 50 %;
  3. Crianças e jovens com idade inferior a 18 anos e filhos maiores a cargo 30 %.

Além dos aposentados, quem mais pode obter um visto D7?

O visto D7 está destinado para detentores de rendas passivas, ou seja, provenientes de um investimento que traz retorno ao longo do tempo, sem que seja necessária uma contínua e direta intervenção da pessoa. São exemplos de renda passiva: pensões, aposentadorias, aluguéis de imóveis, lucros e dividendos de empresas; rendimentos provenientes de fundos de investimentos e aplicações em bolsa de valores, e rendimentos com origem em propriedade intelectual ou industrial. 

Esses rendimentos devem corresponder pelo menos ao valor mínimo previsto na lei para o requerente estar apto a fazer o pedido. Mas nem sempre basta ter o mínimo: esta análise cabe ao governo e pode ser, de certo modo, discricionária. Para que o visto seja aprovado, o seu perfil é analisado, assim como  a sua renda passiva (valores, fontes, etc). Deste modo, renda mais altas e mais estáveis têm mais chances de deferimento.

E o que é o Golden Visa Portugal? Veja aqui!

 

Nômades digitais também podem solicitar o Visto D7?

O posicionamento dos Consulados de Portugal tem sido efetivamente variável. Embora não se trate de uma renda passiva, o salário oriundo de trabalho remoto também tem sido aceito por alguns Consulados em países como EUA, Reino Unido, Canadá e Rússia. No entanto, até o presente momento o Consulado de Portugal no Brasil não está emitindo visto D7 para trabalhadores remotos.

 

Quais são os principais requisitos para obter um visto D7?

  • Comprovativo de renda passiva: o rendimento mínimo necessário varia de acordo com a quantidade de pessoas que compõem o agregado familiar do requerente. No caso do indivíduo isolado, é preciso comprovar renda mensal de pelo menos 705€ por um período mínimo de um ano, com o depósito de 12x o salário mínimo em conta portuguesa (EUR 8.460)
  • Comprovativo de alojamento
  • Comprovativo de seguro de saúde (ou PB-4, no caso de brasileiros aplicando no Brasil).

Aposente-se em Portugal

Quais os valores que devo comprovar se quiser levar minha família para Portugal?

  • Primeiro adulto (requerente): 12 vezes 100% do salário mínimo vigente (705€ em 2022) = 8.460€/ano;
  • Segundo adulto: 12 vezes 50% do salário mínimo vigente (352,5€) = 4.230€/ano;
  • Cada criança e jovens com idade inferior a 18 anos e maiores a cargo do requerente: 12 vezes 30% do salário mínimo vigente (211,5€) = 2.538€/ano.

 

Quais as vantagens do Visto D7 em relação ao Golden Visa e aos demais tipos de visto? 

Para o D7, não há necessidade de realizar um investimento no país antes do pedido de visto, para que o seu requerente passe a ser elegível, ainda que possa fazer caso assim desejar. 

Frente ao Golden Visa, a principal vantagem do visto D7 prende-se na mesma não necessidade de se realizar nenhum investimento prévio no país (ainda que também esteja habilitado para tal). Além disso, o processo de obtenção do visto de rendimento passivo D7 é consideravelmente mais rápido e acarreta menos custos que o do Golden Visa e dá direito aos principais benefícios de residência em Portugal. 

 

Qual o valor mínimo a ser depositado na conta corrente do titular do visto, caso ele pretenda vir juntamente com sua esposa, seu filho menor e seu filho maior de idade? 

O montante mínimo a ser depositado deve ser de 12 vezes o salário mínimo de Portugal para o requerente. No caso do segundo adulto o valor cai pela metade. Já os filhos, devem comprovar 30% desse valor. Desse modo: 

  • Primeiro adulto (requerente): 100% do salário mínimo vigente (705€ em 2022) x 12 = 8.460€/ano;
  • Segundo adulto: 50% do salário mínimo vigente (352,5€) x 12 = 4.230€/ano;
  • Cada criança e jovens com idade inferior a 18 anos e maiores a cargo do requerente: 30% do salário mínimo vigente (211,5€) x 12 = 2.538€/ano.

Neste caso, o montante mínimo a depositar seria de 17 766€.

 

Quais são os requisitos referentes à presença física para o Visto D7?

Para manter a sua autorização de residência renovável, é preciso permanecer em Portugal por um mínimo de 6 meses consecutivos ou  8 meses interpolados no país, dentro período total de validade total da autorização de residência temporária (AR), sendo que a primeira AR tem duração de dois anos. O não cumprimento deste requisito pode levar à não renovação da autorização de residência. Para quem não pretende ou não pode passar o período mínimo exigido por lei em Portugal, recomendamos o Golden Visa Português, que possui exigência de permanência de apenas 14 dias durante a validade da Autorização de Residência (que é de 2 anos). 

 

Preciso comprar um imóvel para solicitar o Visto D7?

Não. No entanto, é necessário apresentar comprovante de acomodação em Portugal. Esse comprovante pode ser, por exemplo, um contrato de aluguel.

 

O seguro de saúde privado é obrigatório para requerentes de Visto D7? Isso vale também para os brasileiros? 

Para requerentes do Visto D7 é necessário um seguro de viagem válido que permita cobrir as despesas necessárias por razões médicas, incluindo assistência médica urgente e eventual repatriamento em caso de morte. No caso dos brasileiros que estão aplicando no Brasil, o documento pode ser substituído pelo PB4, emitido pelo Ministério da Saúde do Brasil. 

 

Quais as principais formas de comprovação de alojamento em Portugal, para fins de pedido de Visto D7? 

Atualmente, para o requerente solicitar o visto de residência D7 para morar em Portugal, um dos documentos exigidos é o comprovativo de alojamento. Há três opções:

  • Carta-convite fornecida por um residente legal ou cidadão português;
  • Contrato de arrendamento de um imóvel em nome do solicitante do visto por pelo menos 12 meses;
  • Escritura do imóvel que o utente tenha comprado em seu nome.

Na prática, a aceitação de cada um dos documentos tem variado bastante a depender da nacionalidade e/ou local de residência do requerente. Aplicantes dos EUA e Reino Unido, têm tido maior flexibilidade das autoridades. No Brasil, por exemplo, a carta convite já não vem sendo mais uma possibilidade.

As escrituras públicas são os documentos com maior grau de aprovação pelos Consulados, seguidos dos contratos de arrendamento.

 

Qual a validade inicial da autorização de residência para detentores de renda? 

Atualmente, a respectiva Autorização de Residência tem validade inicial de 2 anos.

 

A autorização de residência para detentores de renda é renovável? Após a renovação qual a sua validade? 

Sim, ela pode ser renovada 1 vez pelo período de 3 anos. Após este prazo, a renovação acontece a cada 5 anos, e depois de 5 anos de residência legal é possível solicitar a nacionalidade portuguesa, por naturalização. 

 

O Visto D7 permite ao seu titular trabalhar em Portugal? E aos seus familiares? 

Sim! Em Portugal o  Visto D7 permite ao seu titular trabalhar no país, assim como aos familiares reagrupados.

 

É possível solicitar uma autorização de residência para detentores de renda própria, sem prévio pedido de visto D7? 

Não. A autorização de residência para detentores de renda passiva obrigatoriamente precisa derivar de um visto D7, requerido e deferido no país de residência. 

 

O requerente tem que ter “ficha limpa” para solicitar o visto D7? O que isso significa?

Para requerer o Visto D7 é preciso apresentar atestado de antecedentes criminais, emitido pelo país de nacionalidade ou onde  resida por mais um ano. A data de emissão do atestado deve ser inferior a 90 dias em relação à data da apresentação do documento. Para que o visto seja aceito, o requerente não pode ter sido condenado por crime que em Portugal seria punível com pena privativa de liberdade de duração superior a  1 ano, independente de ter cumprido ou não a pena. 

Governo Aprova Alterações Propostas à Lei dos Estrangeiros em Portugal

By | Artigos

O parlamento português acaba de aprovar as alterações propostas à Lei 23/2007, conhecida como a Lei dos Estrangeiros. Ainda não se sabe quando as mudanças entrarão em vigor, uma vez que terão que ser aprovadas pelo presidente da República e, posteriormente, publicadas no Diário da República. Mas o que isso representa, na prática, para os estrangeiros que desejam viver em Portugal??

 

Leia também: Portugal é o Melhor País da Europa Para Expatriados


O que pode mudar na Lei dos Estrangeiros?

 

Conforme anunciado no site oficial da República Portuguesa, as principais alterações propostas são as seguintes:

 

mudança na lei de estrangeiros Portugal

 

Para quem tem proposta de trabalho

A presente proposta de lei pretende facilitar a concessão de visto para obtenção de autorização de residência para exercício de atividade profissional subordinada (conhecido como visto D1). Até agora, as empresas que estivessem contratando precisavam demonstrar que a vaga de trabalho oferecida tinha ficado disponível por 30 dias antes que um estrangeiro pudesse ser contratado para a preencher, respeitando o “princípio de prioridade”. Com a alteração, qualquer pessoa poderá pedir o visto com contrato ou promessa de trabalho, não apenas os candidatos ao Visto D3, que é voltado apenas para profissionais altamente qualificados. Em outras palavras, poderá ser mais fácil conseguir propostas de trabalho para vagas simples em Portugal.

 

Para quem procura trabalho

Além disso, passará a existir um visto específico para quem não tem essa promessa ou contrato de trabalho, ou seja, um visto temporário para quem deseja buscar emprego em Portugal. A ideia é que esse visto permita a residência legal por 120 dias, prorrogáveis por outros 60, desde que sejam apresentadas passagens e meios de subsistência. Ao fim do período, se o imigrante não conseguir trabalho sem ser por conta própria, deverá deixar o país.

 

Para estudantes

Para os estudantes do ensino superior, está sendo alterado o artigo referente à autorização de residência, que passou a ser válida de dois para três anos, podendo ser renovado  por iguais períodos. Nos casos em que a duração do programa de estudos seja inferior a três anos, deverá ser emitida uma autorização pelo prazo da sua duração.

Além disso, o governo quer agilizar a emissão de visto de estudo para estudantes do ensino superior, dispensando a obrigatoriedade de parecer prévio do SEF para quem já tenha sido admitido em instituição de ensino em território nacional, diminuindo o tempo de espera dos alunos.

 

Para trabalhadores remotos

Por fim, também deverá ser criado um novo visto para a finalidade a prestação de trabalho remoto, “bem como o acompanhamento dos familiares habilitados com os respectivos títulos”.

Simplificação dos vistos para cidadãos CPLP

A concessão do visto de curta duração, de estada temporária ou de residência para cidadão abrangido pelo Acordo sobre a Mobilidade entre os Estados-Membros da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) passa a estar dispensada de parecer prévio do SEF. Isso significa menos burocracia e provável maior agilidade para a concessão dos vistos a esses cidadãos.

Com essas alterações, o Governo Português pretende estabelecer “procedimentos que permitam atrair uma imigração regulada e integrada para o desenvolvimento do país, mudar a forma como a administração pública se relaciona com os imigrantes e garantir condições de integração dos imigrantes.”

 

A Atlantic Bridge está atenta a todas modificações na lei, de modo a assegurar uma transição legal, tranquila e segura de seus clientes para Portugal. Se viver neste país está nos seus planos, fale com um de nossos especialistas.

 

Como morar em Lisboa: o guia para viver na capital portuguesa

By | Artigos

Ahh Lisboa, que cidade tão incrível! A capital portuguesa é destino de muitos imigrantes que escolhem o país para viver. Além de viver em uma capital cosmopolita, bela, cultural e agitada, morar em Lisboa também é sinônimo de um alto custo de vida, especialmente se comparado a outras regiões do país.

Neste texto vamos apresentar as principais informações que precisa saber para viver em Lisboa, desde o custo de vida, até as melhores regiões para morar. Vamos lá?

 

PerguntasRespostas
Qual o melhor lugar para morar em Lisboa?Depende do que você está buscando: se vai estudar, se quer tranquilidade, se quer proximidade com centro, etc. Tudo isso influencia na escolha de melhor lugar.
Quanto custa morar em Lisboa?O custo pode variar conforme as suas prioridades, mas para um casal sem filhos, cerca de 1.500€/mês.
Qual o salário para viver em Lisboa?Mais que um salário mínimo para conseguir viver em Lisboa e não sobreviver. Algo em torno de 1.000€ por pessoa.

Como é morar em Lisboa?

Lisboa é uma cidade agradável, com uma vida noturna bem agitada. Definitivamente é um destino cosmopolita com pessoas do mundo inteiro e atrativos culturais variados, seja de museus, teatros, casas noturnas ou shows.

Morar em Lisboa é, para mim, estar em uma cidade grande que parece pequena. Apesar de todo o movimento do centro, é calma e segura.

Além disso, é uma cidade com ótima ligação aérea, além de voos para o Brasil, também tem conexões com as principais cidades europeias. Mas, assim como as grandes cidades, a cidade também apresenta alguns problemas, como o trânsito e alto custo de vida.

 

Custo de vida para morar em Lisboa

Se você está pensando em morar em Portugal, deve considerar que o custo de vida é um ponto de partida para iniciar o planejamento financeiro ainda no Brasil.

Para ajudar você nesse processo, buscamos as principais informações sobre o custo de vida em Portugal, mais precisamente em Lisboa, capital do país e, consequentemente, a mais cara de se viver. Consultamos o site Numbeo e apresentamos os principais resultados da nossa busca.

Aluguel de apartamento

O valor do aluguel em Lisboa é um dos itens mais caros para quem pretende morar na cidade, se comparado ao salário mínimo do país em 2022, que é de 705 euros. A média do valor de aluguel em Lisboa é:

TipologiaValor médio
Apartamento de 1 quarto no centro875,43€
Apartamento de 1 quarto fora do centro669,43€
Apartamento de 3 quartos no centro1.915,36€
Apartamento de 3 quarto fora do centro1.099,15€

Contas da casa

Somado ao aluguel, outros itens são imprescindíveis para entender o custo de vida em Lisboa: as contas da casa. Identificamos alguns dos itens que fazem parte das contas mensais e o gasto médio mensal de cada um deles.

ContasValor médio
Contas de eletricidade, água e gás para apartamento de 85 m²112,54€
Internet e tv a cabo33,51€

Transporte público

Morar em Lisboa significa ter acesso a uma ótima rede de transporte público, que atende toda a cidade e a região. Existem duas modalidades de passes mensais, abrangendo a região metropolitana e o que engloba apenas o município de Lisboa.

Tipo de passeValor
Bilhete único1,50€
Passe mensal30,00€
Passe mensal incluindo as cidades de Amadora e Odivelas (em torno de Lisboa)40,00€
Bilhete diário (24h)6,45€

 

Elétrico sobe uma ladeira em Lisboa, Portugal
Os elétricos (bondinhos) farão parte do cotidiano de quem vai morar em Lisboa.

 

Supermercado

Os preços de supermercado em Lisboa são consideravelmente mais baixos que outras grandes cidades europeias. Porém, no país não há grande variação nos preços de supermercado. Para ilustrar os gastos médios, separamos alguns itens que fazem parte do dia a dia da maioria das pessoas.

ItemValor médio
Leite (1 litro)0,76€
Pão Branco Fresco (500gr)1,00€
Arroz (1kg)1,02€
Ovos (dúzia)2.05€
Filé de Frango (1kg)4,91€
Carne vermelha (1kg)8,95€
Banana (1kg)1,04€
Laranjas (1kg)1,26€
Tomate (1kg)1,71€
Batata (1kg)0,93€
Cebola (1kg)1,09€
Alface (1 molho)1,03€
Garrafa de vinho (gama média)4,00€

Restaurante

Os restaurantes nas zonas mais turísticas da cidade são mais caros que em regiões mais residenciais. A seguir listamos alguns preços médios para comer fora na cidade.

ItemValor médio
Refeição em restaurante simples10,00€
Refeição para 2 pessoas em restaurante intermediário44,75€
Menu em fast food7,00€
Cerveja nacional (500 ml)2,00€
Cerveja importada (330 ml)2,50€
Cappuccino1,86€
Refrigerante (330 ml)1,37€
Água (330 ml)1,00€

Lazer

Além de comer fora, entre os custos de lazer para quem mora em Lisboa, destacamos as academias e cinema.

ItemValor médio
Academia de ginástica (mensalidade)32,05€
Cinema7,00€
Museus5,00€ – 10,00€

Saúde

saúde pública em Portugal é de muita qualidade e a maioria da população utiliza os serviços. Entretanto, há ainda quem opte pelo seguro saúde ou plano de saúde (eles não se referem a mesma coisa). Os valores variam conforme a seguradora escolhida e a idade do segurado e as coberturas.

SeguroValor médio
Seguro saúde25,00€ a 250,00€
Plano de saúde5,00€ a 50,00€

Resumo do custo de vida em Lisboa

Para ajudar você nas contas, fizemos uma simulação dos gastos médios para um casal sem filhos morar em Lisboa, confira:

ItemValor
Aluguel de apartamento de 1 quarto fora do centro669,43€
Serviços básicos para casa150,00€
Duas refeições por mês em restaurante89,50€
Academia64,10€
Gastos com mercado350,00€
Passe mensal de transporte público80,00€
Cinema14,00€
Total1.417,03€

Atenção: ressaltamos que apontamos aqui os custos médios básicos. Não estão incluídos gastos com farmácia, roupas, viagens, cursos/educação, etc.

 

Aluguel em Lisboa

Como citamos acima, o valor de apartamento para alugar em Lisboa varia de acordo com a região que você decide viver e, também, a tipologia do imóvel.

Em Portugal, ao buscar por um imóvel, você vai se deparar com a identificação T, que significa tipologia. Ela representa o número de quartos do imóvel, assim, um T1 é um apartamento de 1 quarto. Enquanto um T0 é uma kitnet ou estúdio. T2 um apartamento de 2 quartos e assim por diante.

Como encontrar um apartamento para morar em Lisboa?

Existem muitas formas de encontrar um imóvel para alugar em Lisboa. A mais tradicional é buscando imobiliárias, mas no geral, não é maneira mais usada no país para encontrar um imóvel.

Outra opção são os sites para alugar casa em Portugal que reúnem anúncios de imóveis. A principal vantagem é que você pode filtrar a busca pela região onde pretende morar, assim como pelo valor e tipologia. Outra vantagem é a possibilidade de entrar em contato direto com o proprietário e visitar o imóvel antes de fechar negócio.

Praça em Lisboa, Portugal
Os aluguéis para morar em Lisboa pesam bastante no orçamento, por isso, o planejamento é muito importante.

O Facebook e os grupos de arrendamento em Portugal também são ótimas oportunidades de encontrar alugar. São muitos os grupos, alguns segmentados por cidade ou interesses, como quartos para estudantes. Mas, fique atento, sempre visite o imóvel e exija contrato antes de pagar qualquer coisa.

É difícil conseguir?

Se você está em busca de um apartamento para alugar na capital, se prepare, essa não vai ser a tarefa mais fácil no processo de mudança.

Isso acontece porque as principais cidades de Portugal recebem um grande número de turistas e, para muitos proprietários, a oportunidade de investir em imóvel para transformá-los em alojamento de temporada é mais atrativa do que simplesmente alugar a inquilinos.

Sendo assim, a tarefa de encontrar um apartamento para morar em Lisboa que atenda às suas expectativas pode ser um pouco trabalhosa. Mas não desista, existem alternativas que podem ajudar no primeiro momento.

Uma alternativa é o aluguel de quarto em Lisboa, para quem está chegando na cidade, dividir uma casa pode ser uma boa forma de morar em uma boa localização sem pagar caro enquanto busca o seu cantinho na cidade.

Precisa de fiador? Caução?

Sim. E sim.

A maioria dos senhorios (proprietário do imóvel) exige um fiador em Portugal. Entretanto, com o crescente número de imigrantes, especialmente brasileiros, muitos deles passaram a pedir apenas a segunda opção: caução.

Com a dificuldade de encontrar um fiador, seja por não conhecerem muitas pessoas no país, ou pelo fato de que a maioria também é imigrante e ainda não consegue comprovar renda, não é difícil encontrar senhorios que troquem a exigência do fiador por uma caução maior.

A exigência de caução é unânime, ou seja, se você pretende se mudar, tenha uma boa reserva para pagar alguns meses de aluguel adiantado, ou renda como se diz em Portugal.

Quantos meses um senhorio pode cobrar de caução? Segundo a lei de arrendamento urbano, para o caução não existe montante máximo estipulado. Portanto, o senhorio pode pedir o que considerar justo, desde que o inquilino aceite pagar.

Já a quantidade de renda antecipada é estipulado por lei e não pode ultrapassar a 3 meses.

O mais importante no processo de aluguel é buscar negociar com o senhorio, em algumas situações, os comprovantes de renda que você apresenta podem ajudar a reduzir o tempo de caução cobrado. Além disso, também existem empresas, como a Easy Sponsor, que oferecem serviços para ajudar na apresentação de um fiador.

Não deixe de tentar negociar, afinal, 6 meses de renda é muita coisa especialmente considerando a cotação do euro.

Direto com proprietário ou imobiliária?

mercado imobiliário português é bem diferente do Brasil, onde que a maioria esmagadora dos aluguéis é intermediado pelas imobiliárias. Em Lisboa, e em Portugal de modo geral, é mais comum alugar diretamente com o proprietário.

Assim, ao buscar um imóvel para morar em Lisboa, o mais provável é que encontre o senhorio logo na primeira visita ao imóvel.

 

Segurança em Lisboa

De maneira geral, a segurança em Portugal é muito boa, e Lisboa não é diferente. Porém, é uma grande cidade e apresenta os problemas de segurança comuns das cidades europeias.

Se comparado ao país, a cidade, assim como o Porto, está entre as com índice de criminalidade mais alto.

O Distrito de Lisboa, que compreende também a região metropolitana, apresenta os índices mais altos de violência no país. Mas morar em Lisboa, não significa viver em uma cidade violenta, muito pelo contrário.

A maior incidência de crimes se refere a furto de carteira, o famoso batedor de carteira. Seguido de furto de residência e veículos automotores, segundo o Relatório Anual de Segurança Interna de 2021, versão mais recente disponibilizada pelo Governo.

Clima

O clima em Portugal é mais agradável e mais ameno se comparado a outros países. Em Lisboa, as estações do ano bem definidas, apresentando um inverno chuvoso e verão seco. Com cerca de 260 dias de sol por ano, é a cidade ideal para quem não quer enfrentar o típico clima europeu.

A LxFactory é uma boa opção de lazer para quem vai morar em Lisboa
Quem mora em Lisboa consegue desfrutar de muitos dias ensolarados, o que não acontece no norte do país.

A temperatura média no verão é de 28ºC, no inverno as temperaturas mínimas chegam a 8ºC e as máximas a 15ºC. No outono e na primavera, as temperaturas são intermediárias, tornando os dois períodos ainda mais agradáveis na cidade.

 

Vantagens e desvantagens de viver na cidade

Para ajudar você a tomar a melhor decisão, listamos as vantagens e desvantagens de morar em Lisboa.

Vantagens de morar em Lisboa

Lisboa é uma cidade sensacional. É uma cidade viva, com uma agenda cultural variada, vida noturna muito ativa e agitada, é um berço para artistas e pessoas ligadas ao mundo das artes. É uma cidade grande, bons restaurantes e praia.

Morar em Lisboa pode ser muito vantajoso para quem está buscando oportunidades de trabalho, pois sendo a capital de Portugal, é uma cidade onde grandes empresas nacionais e multinacionais mantém seus escritórios e fábricas, por isso dispõe de ofertas de emprego variadas. Portanto, fica aqui um resumo:

  • Clima ameno;
  • Existem mais oportunidades de emprego;
  • Facilidade de voos para o Brasil e o restante da Europa;
  • Vida noturna e cultural agitada.

Desvantagens de morar em Lisboa

Claro que existem desvantagens em se morar em Lisboa porque, por ser uma cidade grande, tem os seus problemas.

O trânsito carregado, principalmente em horários de pico, trava a cidade. Como Lisboa se tornou um destino turístico de destaque na Europa, o valor dos imóveis nos bairros mais centrais da cidade, tanto para compra como para alugar, estão nas alturas. Além disso, tem turistas nas ruas o dia inteiro.

Devido ao aumento do turismo, além dos preços de imóveis terem disparado, os restaurantes também estão mais caros. Fica o meu resumo:

  • Alto custo de vida;
  • Cidade menos segura do país;
  • Dificuldade de encontrar imóvel com boa localização e preço acessível.

Conheça aqui as principais vantagens e desvantagens de morar em Portugal na visão de uma brasileira.

 

Alguns costumes de Lisboa

Se você for morar em Lisboa, deve saber como os lisboetas se portam, e quais os seus hábitos e costumes.

Lisboa respira Fado

A cidade de Lisboa possui diversas casas de Fado. Nessas casas tocam fadistas famosos e amadores, e os locais simplesmente amam essa tradição.

O costume do café

Os portugueses, no geral, adoram café. Mas não é o nosso “cafézim” brasileiro, passado no coador não. Eles gostam de café forte, servido em uma chávena (xícara) pequena e quente. É basicamente um “shot” de cafeína.

Festas populares

Existem diversas festas portuguesas populares, e a mais conhecida em Lisboa é a Festa de Santo Antônio. Se você gosta de eventos no meio da rua, cheios de música e pessoas felizes, você não pode perder essa.

Gostou da ideia de morar em Lisboa? Então é hora de começar a planejar a sua mudança para Portugal. Preparamos o Programa Morar em Portugal para te ajudar neste processo, são 22 vídeo-aulas com todas as informações necessárias para fazer essa jornada de forma tranquila e segura. Encontre todas as respostas e comece a se planejar. Vale a pena!

 

Artigo originalmente publicado no site Euro Dicas.

Portugal é o Melhor País da Europa Para Expatriados

By | Artigos, Portugal | No Comments

Portugal é o melhor país da Europa para viver como um expatriado. É o que diz o ranking da The Expat Insider Survey, que mede a receptividade dos moradores de 181 países e territórios em relação aos residentes estrangeiros. Em 2022, o país subiu no ranking geral e agora passa a ocupar a 4ª colocação na classificação mundial (atrás de Mexico, Indonesia e Taiwan) e a 1ª no continente europeu. Segundo a pesquisa,  85% dos expatriados estão felizes com a vida em Portugal. Cerca de 90% dos entrevistados afirmaram que gostam do clima e destacam a qualidade do ar respirado no país. Além disso, 93% disseram que é fácil e seguro se locomover a pé ou de bicicleta.

A pesquisa da Expat Insider leva em conta uma série de critérios, incluindo, por exemplo, a facilidade em fazer novas amizades dentro da comunidade local e a probabilidade dos expatriados permanecerem vivendo no país. Foram entrevistados 11.970 expatriados representando 177 nacionalidades e vivendo em 181 países ou territórios.

Nesse artigo, extrapolamos os critérios apresentados no ranking do Expat Insider para demonstrar porque Portugal é um país tão amigável e especial para os estrangeiros.

Por Que Portugal é Considerado um País Tão Amigável?

São vários os fatores fazem com que seja fácil se adaptar a Portugal. Sua gente é acolhedora e sempre disponível para ajudar. A gastronomia é variada e segura. O clima é ameno, e as paisagens deslumbrantes. Além de ser um país pacífico e praticamente sem violência, que vem aprendendo a respeitar as questões de gênero e as diferenças culturais e religiosas do seu povo. 

 

Welcome to Portugal
Direitos LGBT em Portugal

Portugal tem sido apontado como um destino Gay Friendly e bastante seguro para esse público. Nos últimos 3 anos o país esteve sempre no top 3 dos destinos de viagens mais hospitaleiros para a comunidade LGBTI, de acordo com o Spartacus International Gay Guide. Entre 2018 e 2019, Portugal subiu do 27.º lugar para o topo da lista do Spartacus Gay Travel Index.

Além disso, Portugal está entre os 10 países europeus que lideraram os direitos LGBTQI+, segundo o Rainbow Map da ILGA Europe 2022. O index que classifica 49 países em suas respectivas práticas legais e políticas que protegem os direitos e liberdades LGBTQ+. Todos os anos, desde 2009, a ILGA Europa publica este relatório. Cada nação recebe uma pontuação numa escala de zero a 100. Portugal ocupa atualmente o 9º lugar

A sociedade portuguesa tem evoluído rapidamente no que se refere aos direitos LGBTQI+.  A homossexualidade foi discriminalizada em Portugal em 1982. Em 2010, o país passou a permitir o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Em 2016, foi autorizada a adoção por casais do mesmo sexo.

 

Respeito às Diferenças Culturais e Religiosas 

Portugal é um dos países com menos restrições à liberdade religiosa em todo o mundo. É o que mostra um estudo de 2016 da Pew Research Center sobre restrições sociais e governamentais à prática religiosa no mundo. É um Estado laico, onde vigora a liberdade de religião e de crença.

Em 2011, cerca de 88% da população portuguesa se autodeclarava católica. Dados do último censo (2021) referentes à religião ainda não foram divulgados pelo INE, mas estima-se que esse percentual tenha reduzido para cerca de 75% na atualidade. Além dos católicos, o país reúne ainda evangélicos e Testemunhas de Jeová. Os judeus, os anglicanos, os islâmicos, os hindus, os ortodoxos, os fe bahá’ís, os budistas, os candomblecistas, os gnósticos e os espíritas são os restantes grupos religiosos minoritários existentes neste país europeu.

Apesar da predominância de católicos, observa-se que não há fanatismo ou grandes discussões acerca da religiosidade na comunidade local. Portugal é tido como uma referência no que se refere à tolerância religiosa.  

 

Grande Comunidade de Expatriados

Um expatriado dificilmente irá se sentir um estranho em Portugal. Cerca de 700 mil estrangeiros residem atualmente no país. Segundo o SEF, as nacionalidades mais representativas são as oriundas do Brasil, seguido da Ucrânia, Reino Unido, Cabo Verde, Índia e Itália. A mistura de sotaques e culturas é cada vez maior, assim como a facilidade de acesso a artigos importados de diferentes países. 

Pegando o exemplo da comunidade brasileira, é possível afirmar que é muito fácil encontrar produtos made in Brasil em Portugal. De itens alimentícios, como pão de queijo, a shows de bandas brasileiras, passando por tratamentos estéticos e marcas de roupa. 

O mesmo vale para as famosas marcas de sidra (cider) inglesas, pimentas mexicanas ou temperos e incensos indianos.  Seja qual for a sua nacionalidade, certamente irá encontrar itens para matar as saudades de casa.

 

Comida é Saudável e Adaptável a Qualquer Dieta

Portugal tem uma das melhores comidas do mundo. Não apenas saborosa e diversificada, mas saudável e segura. O país ocupa atualmente a 17ª colocação no Global Food Security Index, na categoria de qualidade e segurança alimentar, numa lista de 113 países, com uma grande oferta de produtos biológicos e frescos nos mercados locais.

Um estudo feito em 2018 pela revista Public Health Nutrition concluiu que os produtos ultraprocessados têm representado um percentual cada vez maior na dieta das pessoas em todo o mundo, mas em Portugal, esses alimentos representavam apenas 10% dos alimentos comprados pelos portugueses, média muito inferior à de países vizinhos como Alemanha, Irlanda ou Inglaterra. 

 

Lisbon is a friendly city

Estilo de Vida Desacelerado e Seguro

A sociedade portuguesa tem um estilo de vida desacelerado e tranquilo. Ainda que você escolha viver em cidades grandes como Lisboa ou o Porto, não sofrerá demasiado stress. Não há grandes filas nos estabelecimentos comerciais e o trânsito não é caótico. 

Um estudo realizado em 2019 pela Universidade Católica Portuguesa detectou que 40% da sociedade portuguesa adota um estilo de vida calmo: passam mais tempo fora do trabalho, fazem mais atividades exteriores e são melhores gestores de tempo, apresentando níveis de foco mais elevados. 

Além disso, Portugal é um país seguro, com baixa criminalidade e o 4º mais pacífico do mundo: um convite ao lazer ao ar livre.

 

Outras Questões Sensíveis que Impulsionam a Migração para Portugal

Devido ao clima político do mundo no momento, também é importante acrescentar algumas informações sobre as leis portuguesas sobre armas e abortos. São questões frequentemente levantadas por clientes de vários países (especialmente os americanos),  à medida que a democracia está sob pressão crescente em todo o planeta. Esclarecemos aqui a posição do governo português quanto a estes assuntos:

 

O Aborto é Legalizado 

Uma questão sensível que também devemos mencionar aqui se refere às leis relativas ao aborto no país.  Em Portugal, a interrupção da gravidez pode ser realizada nas primeiras 10 semanas de gestação, calculadas a partir da data da última menstruação. A interrupção voluntária da gravidez, a pedido da mulher, pode ser realizada em estabelecimentos de saúde oficiais (públicos) ou oficialmente reconhecidos. Se não tiver atendimento no centro de saúde pode deslocar-se ao hospital (com serviço de obstetrícia e ginecologia) da área de referência.

Porte de Armas

Os cidadãos portugueses podem, sim, ter armas. No entanto, é obrigatório possuir licenciamento/certificado de aprovação de porte e uso. Desde 2019, todos os proprietários de armas de fogo são obrigados a adquirir um cofre ou armário de segurança não portátil para guardar as armas em casa. 

Em Portugal existem cerca de 1,5 milhões de armas legais. Segundo a Polícia de Segurança Pública (PSP), cerca de 80% destas são carabinas e espingardas (das classes C e D), que estão nas mãos de caçadores, que só as podem utilizar quando estão a realizar esta atividade. A PSP estima também que existam no país mais de 210.000 licenças de uso e porte de armas válidas em Portugal, no qual se incluem as licenças de colecionadores, defesa ou tiro desportivo. 

 

Portugal é um Lugar Indicado para Estrangeiros?

Os aspectos abordados acima fazem parte de uma lista de questionamentos que chegam até a Atlantic Bridge através de nossos clientes. Entendemos que a decisão de mudar de país deve estar sempre apoiada na informação e, mais do que isso, deve ser tomada a partir de critérios que cada um julgue relevantes para a própria vida.

Acreditamos que Portugal seja um lugar muito especial em muitos aspectos, democrático e de fácil adaptação. Se viver aqui é um desejo seu, fale conosco e descubra como tornar possível essa jornada.

Carteira de Motorista Brasileira Passa a Ser Válida em Portugal

By | Artigos, Portugal | No Comments

Dirigir em Portugal vai ficar mais fácil para muita gente, incluindo os brasileiros. Agora, a carteira de motorista emitida no Brasil (CNH)  também será válida em território português. O Decreto-Lei nº 46/2022 foi publicado no último dia 12 de junho e entra em vigor no dia 1º de agosto de 2022. Ele habilita a condução de veículos por detentores de carta de condução emitidas não só pelo Brasil, mas por todos os Estados-Membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE). 

Até então só era permitido dirigir com a carteira brasileira por 90 dias, como decorre com um turista. Quem decidia residir no país tinha até dois anos para trocar o documento. Além disso, para ter acesso ao documento válido era preciso desembolsar cerca de 30 euros e fazer uma avaliação médica. Com essa nova alteração, passa a ser possível usar o documento emitido no país de origem até o fim da sua validade

O governo português já vinha tentando reduzir a burocracia no processo de troca da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) pela “carta” de motorista do país europeu. Recentemente deixou de exigir a apresentação de declaração de autenticidade para portadores do novo modelo de CNH que traz um código QR no verso.  

Para ser considerado válido, o documento de habilitação emitido pela OCDE ou CPLP não poderá ter sido emitido ou renovado há mais de 15 anos. Seu portador deve ter a idade mínima exigida pela lei portuguesa para a respectiva habilitação, e idade máxima até 60 anos. Para maiores de 60 anos, não haverá alteração.

Em Portugal, os brasileiros chegavam a esperar mais de um ano pela emissão da carta de condução portuguesa, que é de responsabilidade do Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT). O longo tempo de espera era um reflexo da grande quantidade de pedidos. Os brasileiros são responsáveis por mais de 40% dos pedidos de troca. Em 2021, isso representou cerca de 18 mil requisições.

Entre os países beneficiados com a facilitação estão, além do Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste – todos de Língua Portuguesa – e também os motoristas com carteiras emitidas por Austrália, Canadá, Chile, Colômbia, Coreia do Sul, Costa Rica, Estados Unidos, Israel, Japão, México, Nova Zelândia, Suíça e Turquia.

As Fascinantes Feiras Medievais de Portugal

By | Artigos, Atlantic Lovers, Portugal | No Comments

Que tal ser transportado para outra época? Assim como acontece em outros países da Europa, Portugal também possui um vasto calendário de eventos que relembram as antigas feiras e mercados da Idade Média. Eles começaram a se espalhar pelo país na década de 90 (Coimbra foi a pioneira). Em 2022, pelo menos 45 feiras medievais serão realizadas pelo país até o final do ano.  Além de movimentar o turismo e a economia local, com geração de empregos e renda, esses eventos costumam mobilizar as comunidades, que muitas vezes incorporam o espírito da festa, decoram suas casas e se vestem à caráter para criar um ambiente de época. Isso sem falar no quão divertidas elas podem ser para o público geral!

Mais comuns no verão, as Feiras Medievais acontecem principalmente nos meses de julho e agosto. Algumas já são bastante conhecidas, como as de Silves, Óbidos, Santa Maria da Feira, Viana do Castelo e Sintra. 

O Atlantic Lovers* conta tudo o que se passa nas melhores feiras medievais do país!

 

Como São as Feiras Medievais de Portugal?

 

Torneio Medieval de ÓbidosTorneio Medieval em Óbidos


O Cenário Medieval

Muitos eventos do gênero costumam acontecer em cidades que ainda conservam a arquitetura medieval. Portugal possui vários castelos espalhados pelo país. Em Óbidos, por exemplo, existe uma vila cercada por muralhas, com a arquitetura do século 13 preservada, o que confere, por si só, um cenário perfeito para a festa.

Decoração

As ruas e as varandas das casas são ornamentadas com bandeiras, bandeirolas e flâmulas contendo os tradicionais brasões de famílias portuguesas. Tapetes vermelhos decoram zonas nobres, enquanto que a palha cobre o chão dos ambientes mais simples. Cadeiras são substituídas por bancos de palha.

Completando o cenário, há feiras que espalham tochas, fogueiras e troféus de caça pela rua. Isso sem falar nos instrumentos de tortura comuns na Idade Média e “corpos” de malfeitores executados em praça pública.

A atmosfera também pode incluir cheiros: churrasco, bebida e fogueiras.

Tenda de produtos artesanais

Tenda de produtos artesanais

Ambientes Típicos

Pelos burgos (núcleos populacionais que surgiram nas cercanias dos castelos), montam-se barracas, afiam-se as armas, preparam-se os homens para a batalha. São montados acampamentos das hostes militares que defendem a Vila, pois “o inimigo espreita a qualquer momento”.

Demonstram-se, ao vivo, antigos ofícios como o Ourives, Carpinteiros, Oleiros, Ferreiros, Sapateiros, Peleiros, entre outros. Também podem aparecer espaços que recriam as antigas tabernas e bordéis. Isso sem falar nos mercados, presentes em todos os eventos.

Produtos Oferecidos nos Mercados

Nas barracas espalhadas pelas ruas há uma variedade de produtos artesanais: bijouterias, calçados, cintos, esculturas, armas de caça, brinquedos, especiarias, frutas,  incensos, sabão artesanal, entre outros artigos. Também é possível se deparar com tendas de cartomantes e boticários.

Recriação de Eventos Históricos e Personagens de Época

Bobos, princesas, cavaleiros, mendigos, prostitutas e reis caminham pelas ruas. Há cortejo acompanhado de música típica e dançarinos. Malabaristas e encantadores de serpentes mostram suas principais habilidades. Nos palcos, espetáculos relembram batalhas históricas que definiram o destino de Portugal. Devidamente caracterizados, atores e figurantes estão por todo lado. Muitos nem são atores profissionais, senão os próprios moradores, que fazem questão de participar. As próprias câmaras municipais fazem o convite e estimulam essa participação que, em alguns casos, pode ser remunerada. 

Jogos, Brincadeiras e Esportes Medievais

Em alguns desses eventos também é possível contemplar – e participar – de jogos e brincadeiras de época. Espadas e cavalinhos de madeira, pernas de pau e atividades com bolas e cordas, que por vezes ficam disponíveis para quem quiser experimentar.

Gastronomia e Ceias

Que tal sentar num banquete com senhores de terra ou comensais, enquanto assiste a uma justa de cavaleiros?  O brinde pode ser com uma sangria, hidromel ou cerveja artesanal. Para comer há de tudo um pouco: assado de porco, migas, grelhados, além de crepes e doces variados. A maioria das feiras medievais transforma restaurantes e bares em tavernas com ares de época. Trocam os talheres de vidro e plástico por louças de barro e talheres de madeira. E não decepcionam nos sabores!

Veja também: Top 7 do Patrimônio Português

As Feiras Medievais de Portugal que te Levarão de Volta ao Passado

soldado medieval

Figurante na Feira Afonsina de Guimarães

Como já dissemos, são dezenas de eventos que acontecem de norte a sul do país. Alguns maiores, que duram por dias e já carregam um histórico de sucesso; outros mais simples e menos tradicionais. Reunimos abaixo alguns que recomendamos. Clique nos links para aceder a maiores informações:


Calendário de Feiras Medievais de Portugal

Mercado Medieval de Óbidos: São 10 dias de recriação histórica, de 21 a 31 de julho, dentro das muralhas do castelo. O mercado medieval de Óbidos acontece desde 2002, e este ano tem como tema Festas, Romarias e Peregrinações, uma experiência na Idade Média entre as devoções e festejos das gentes, pelos caminhos da redenção ou do pecado.

Viagem Medieval de Santa Maria da Feira:  A Feira de Santa Maria é uma verdadeira viagem medieval, sendo considerada um dos principais eventos de reconstituição histórica da Europa. A fundação e consolidação do reino de Portugal durante a Primeira Dinastia – da Borgonha ou Afonsina – é o mote para a recriação de episódios históricos que vão marcar a 25ª edição do evento, entre os dias 3 e 14 de agosto de 2022.

Feira Medieval de Silves: Uma das mais longas feiras de Portugal, também com 10 dias de programação, vai acontecer de 10 a 20 de agosto. Ainda não foram divulgadas maiores informações acerca desta edição.

Caminha Medieval: O “Caminho de Santiago” é o tema da próxima edição de Caminha Medieval, que terá lugar em julho, entre os dias 20 e 24, no casco histórico da Vila de Caminha.

Dias Medievais em Castro Mirim: Sua 23ª edição, acontece de 24 a 28 de agosto tendo por palco principal o Castelo, onde acontecem as maiores espetáculos, como os torneios medievais a cavalo, além da  exposição de Instrumentos de Tortura e Punição.

Festa da História: De 18 a 21 de agosto, no centro histórico de Vila Nova de Cerveira.

A agenda anual de eventos é bastante longa, o que torna essas festividades acessíveis a todos. Se gosta de eventos temáticos, não deixe de conhecer e se encantar com as feiras medievais de Portugal!

 

Atlantic Lovers* é uma edição especial da Atlantic Bridge que tem como missão integrar os nossos clientes, amigos e parceiros em torno do melhor que Portugal tem para oferecer.

Comprar casa em Portugal: quanto custa e documentos necessários

By | Artigos, Imobiliário | No Comments

As dúvidas na hora de comprar uma casa existem em qualquer circunstância, mas quando se trata de adquirir um imóvel no exterior, elas podem ser ainda mais intimidantes. Seja em relação à documentação ou as formas de pagamento, comprar casa em Portugal pode ser mais fácil do que você imagina.

Neste artigo vamos solucionar todas as dúvidas e ajudar você a tomar a melhor decisão para a compra de um imóvel no país, confira.

Como um brasileiro pode comprar casa em Portugal?

Comprar casa no país é um dos primeiros pensamentos dos brasileiros que pretendem morar em Portugal. A boa notícia é que pode ser mais simples do que parece a princípio.

Existem poucas diferenças na compra da casa por um brasileiro ou português, o processo, de modo geral, é bastante semelhante. A principal diferença pode estar no financiamento, caso seja uma opção, uma vez que pode não haver uma relação como correntista em um banco português, o que faz a busca começar do zero.

A seguir apresentamos um passo a passo de como comprar casa em Portugal, confira:

1. Definir o que procura

O primeiro passo para comprar uma casa em Portugal é definir o que você busca no imóvel. Neste momento, você deve pensar tanto no aspecto do imóvel, como número de quartos, localização e estado de conservação da casa. Mas também deve abranger o aspecto financeiro, qual será o orçamento para o imóvel, ou seja, de quanto você dispõe para comprar uma casa.

2. Iniciar a busca pela casa

Buscar por um imóvel pode ser um processo um pouco trabalhoso, especialmente se você ainda estiver vivendo no Brasil. Existem algumas maneiras de buscar por um imóvel, a mais tradicional, claro, é buscar por uma imobiliária, com atendimento mais personalizado, o corretor pode ajudar a encontrar a casa ideal, com as características que você deseja.

Mas não limite a busca ao corretor, em Portugal existem bons sites de imóveis, tanto de aluguel quanto de compra, nos quais você pode encontrar boas oportunidades. Em alguns desses sites, inclusive, existem anúncios das próprias imobiliárias.

3. Visitar

A visita ao imóvel é essencial para uma compra de sucesso. Nesse momento aproveite para observar a região, seja para investimento ou para viver, a localização do imóvel é importante.

No imóvel, faça uma visita minuciosa, observe bem o prédio, o estado de conservação e possíveis problemas. Alguns problemas são comuns nos imóveis em Portugal, como o mofo – especialmente no inverno – por isso, observe bem a possível existência desses problemas nas paredes e armários.

4. Fechar as condições

As condições de compra podem variar muito e uma boa negociação pode fazer toda a diferença. Nesse momento, o corretor pode ser um bom auxiliar no processo de definir as condições.

5. Preparar a documentação

Antes de iniciar o processo de busca por um imóvel, é bom verificar os documentos necessários para a compra. Assim, no momento da negociação, estar com a documentação preparada facilita muito o andamento das negociações. A seguir apresentaremos em detalhes quais são eles, entre documentação pessoal e financeira, é bom ter tudo em ordem antes de começar.

Neste passo também inclua o contrato de compra e venda, essencial para oficializar as condições da compra e os detalhes da transação.

6. Transferir dinheiro ou pedir financiamento

O pagamento do imóvel é uma das etapas que gera maior dúvida nos compradores. Qual a melhor forma de transferir o dinheiro do Brasil para Portugal? É possível financiar sendo brasileiro? São muitas as dúvidas, mas a transação é simples e pode sair mais barata pelas plataformas. Você só precisa se planejar direito para verificar os limites da transação.

7. Fazer a escritura

Negociação concluída, pagamento definido, é hora de passar a documentação do imóvel para o seu nome. Quando o pagamento é realizado direto com o vendedor, basta estarem ambos presentes para a assinatura. Caso seja realizado o financiamento é necessária a presença de um representante do banco.

Assinada a escritura, o imóvel é registrado no seu nome e pronto, a casa é oficialmente sua!

Entrega de chaves de casa após compra
O financiamento também pode ser uma boa oportunidade para comprar casa em Portugal.

Quanto custa uma casa em Portugal, em média?

Varia muito, pode encontrar casas de 50 mil euros a mais de 1 milhão de euros. Os preços para comprar casa em Portugal vão depender de vários fatores, desde a cidade onde pretende comprar um imóvel, até o tamanho e estado de conservação dele.

No dia 08 de maio de 2022, realizamos uma busca no Imovirtual, por imóveis com tipologia T2, ou seja, com dois quartos, com até 70 m² em diferentes freguesias (bairros) das principais cidades de Portugal.

Todos os imóveis estão em bom estado de conservação e muitos deles prontos para serem habitados. Os preços variam muito de uma cidade para outra, mas estando no Porto e em Lisboa os imóveis são mais caros. Segundo o relatório de evolução do preço das casas, desenvolvido pelo Idealista, em abril de 2022, valor do metro quadrado para venda em Lisboa fechou em 3.773€, enquanto o do Porto fechou em 2.239€.

Como é possível observar, a metragem em Lisboa é muito mais cara que nas demais cidades. Em algumas situações, é possível comprar um imóvel maior e mais confortável em cidades menores, pelo mesmo preço de um apartamento pequeno na capital.

Lisboa

FreguesiaPreço
Alvalade315 a 995 mil euros
Estrela210 a 50 mil euros
Campo Oiapoque185 a 700 mil euros
Misericórdia180 a 750 mil euros
Parque das Nações150 a 550 mil euros
Santo Antônio230 a 600 mil euros
Santa Maria Maior130 a 950 mil euros

Se você está em dúvida entre alugar ou comprar imóvel em Lisboa, veja este guia que preparamos para ajudar você.

Porto

FreguesiaPreço
Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde200 a 700 mil euros
Bonfim160 a 350 mil euros
Campanhã150 a 320 mil euros
Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória160 a 550 mil euros
Paranhos155 a 350 mil euros

Faro

Conselho/FreguesiaPreço
Faro – Sé e São Pedro150 a 300 mil euros
Albufeira – Albufeira e Olhos de Água125 a 680 mil euros
Portimão – Portimão110 a 380 mil euros

Onde procurar casas para comprar em Portugal?

A internet facilitou muito o processo de busca por um imóvel, especialmente quando a compra é em outro país. Entre os sites portugueses para compra de imóveis, os que mais se destacam são o Imovirtual e o Casa Sapo.

Em ambos os sites é possível filtrar pela cidade, preço e outras características do imóvel. Com anúncios sempre atualizados, ambos concentram publicações tanto de proprietários quanto de imobiliárias, assim, é possível encontrar uma ampla oferta de imóveis e selecionar de acordo com os seus objetivos.

Entre as imobiliárias, as duas principais com atuação em todo o país são a Remax e a Era. Também é possível realizar uma busca pelos sites e encontrar anúncios atualizados de imóveis pelo país. Por serem as maiores do país, você encontra uma ampla oferta de imóveis para venda e, se preferir, pode contar com um atendimento mais personalizado dos corretores.

Como são as casas em Portugal?

Vale se atentar a algumas curiosidades sobre as casas em Portugal, pois ela são um pouco diferentes do Brasil, tanto arquitetônicos quanto de funcionalidade que são bem diferentes.

Janela só de um lado

É comum que os apartamentos em Portugal tenham apenas um lado com janelas (a menos que sejam de esquina). Os prédios, na sua maioria, são construídos colados um no outro, dessa forma, existem janelas apenas em um dos lados.

Proteção contra o frio

Outra diferença está na preparação das casas para o frio. Em Portugal, muitas casas tem janelas com vidros duplos, que ajudam a reduzir a perda de calor no imóvel, no inverno essa característica é essencial. Assim como o sistema de aquecimento, atualmente, muitas casas contam com ar condicionado de dupla função, que aquecem e esfriam o ambiente.

Banheiro sem janela

Não se assuste se encontrar banheiros sem janelas. Quando falei que as casas têm apenas uma frente dá para entender um pouco a questão, quem vai querer perder espaço de luz natural com um banheiro? Desta forma, é comum que os banheiros tenham sistemas de exaustores, que retiram a condensação da água quente. Um exaustor de qualidade é essencial, especialmente para evitar os mofos que acompanham a umidade.

Frente de casas típicas de Lagos, no Algarve, em Portugal
Avaliar as condições do imóvel é importante para comprar casa em Portugal.

Veja alguns cuidados com a casa em Portugal que você precisa ter atenção ao comprar um imóvel em Portugal.

Nomenclatura

Mas existe ainda uma diferença fundamental na nomenclatura, as casas e apartamentos são denominados pela tipologia, ou seja, você vai encontrar imóveis com a designação T acompanhado de um número.

Esse número em questão é o número de quartos, assim, existem T1, T2, T3, etc. Um T0 corresponde a uma kitnet. Já um T1+1 corresponde a um apartamento de um quarto, mais um cômodo que pode ser feito de quarto, mas que provavelmente não tem janela (aquela diferença que falamos antes).

Como funciona o financiamento de imóveis em Portugal?

Financiar o imóvel em Portugal é uma boa oportunidade para quem pretende comprar. Um brasileiro pode conseguir até 70% de financiamento do imóvel, ou seja, o restante deve ser pago como entrada.

Se você pretende fazer um financiamento para comprar casa em Portugal, o primeiro passo é buscar por um banco. Existem grandes instituições bancárias no país, faça uma simulação no site do banco escolhido e verifique as condições. A análise de crédito varia muito de um banco para outro, por isso, é bom pesquisar as instituições antes de escolher a melhor opção.

Se você ainda vive no Brasil, a dúvida se é possível usar os comprovantes de renda brasileiros é comum, a reposta é que sim, você pode usar os seus comprovativos do Brasil. A declaração de renda brasileira, assim como os contracheques e extratos bancários podem ser usados para comprovação na solicitação do financiamento.

Tem como comprar casa em Portugal morando no Brasil?

Sim.

É possível comprar casa em Portugal ainda morando no Brasil, mas você vai precisar de um profissional no país para intermediar o processo. Isso porque, um dos requisitos para comprar casa em Portugal é ter o Número de Identificação Fiscal (NIF). Para solicitar o NIF ainda no Brasil, indicamos que você utilize a plataforma Bordr, que resolve tudo por você de forma legal, rápida e por um preço justo.

Cuidado ao comprar um imóvel a distância, se possível visite-o antes de concluir a compra, é um investimento alto e não conhecer pessoalmente pode ser um erro. Por isso, planeje-se e antes de finalizar a negociação faça uma visita a Portugal e ao imóvel.

O que é necessário para comprar uma casa em Portugal?

O primeiro item essencial para comprar um imóvel em Portugal é o Número de Identificação Fiscal, o NIF, que citamos anteriormente. Esse documento, equivalente ao CPF no Brasil, é essencial para conseguir realizar a transação no país. Para solicitar o NIF você deve ir às Finanças em Portugal.

Além disso, é preciso apresentar a sua documentação pessoal, que pode ser o passaporte, caso ainda não tenha residência no país. A autorização de residência em Portugal também pode ser usada no processo, ou ainda, o cartão de cidadão, para quem tem cidadania europeia.

Você também precisará apresentar os comprovativos de rendimento, para a negociação. Caso ainda esteja no Brasil, deve apresentar o imposto de renda brasileiro e outros documentos que ajudem a comprovar os seus rendimentos.

Outros documentos importantes para comprar casa em Portugal

  • Certidão do Registro Predial: é a certidão de teor, utilizada para confirmar a legitimidade do proprietário e do comprador;
  • Caderneta Predial: comprovando a atual situação fiscal do imóvel (esse documento deve ser solicitado no serviço de Finanças);
  • Licença de Utilização: serve para dizer qual será a finalidade do imóvel e deve ser solicitada na junta de freguesia local;
  • Ficha Técnica de Habitação: descreve todas as características técnicas do imóvel.

Como transferir dinheiro para Portugal para comprar imóvel?

Existem muitas formas de enviar dinheiro para Portugal, mas quando se trata de montantes elevados para remessas internacionais, é natural que existam muitas dúvidas. Entre as principais maneiras estão os bancos e as plataformas digitais.

Entre as plataformas de envio de dinheiro internacional, recomendamos especialmente a Wise e a Remessa Online. Ambas oferecem boas condições de envio e taxas baixas, se comparadas a outras instituições financeiras.

Geralmente as plataformas apresentam limites de envios para o exterior, para elevar o limite de envio, você precisa realizar o cadastro completo e comprovação de rendimento. Por exemplo, se você vender um imóvel no Brasil, pode enviar os comprovativos para conseguir elevar os limites e enviar um montante maior para Portugal.

Outra opção são os bancos no Brasil, você pode consultar o banco no qual tem conta e verificar as condições. Mas fique atento, além de taxas mais elevadas, a cotação da moeda pode não ser muito favorável pelas instituições bancárias.

Onde comprar casa em Portugal?

Apesar de ser um país pequeno, Portugal é bastante diverso, existem regiões mais ensolaradas, como o Algarve, regiões mais frias, como o Norte e regiões mais cosmopolitas, como Lisboa. Por isso, e preciso avaliar bem o que você pretende ao comprar uma casa em Portugal.

Uma dica é conhecer as cidades, ou seja, faça uma lista de possíveis locais onde gostaria de viver e passe um tempo em Portugal para conhecê-las. Assim, você consegue delimitar melhor o que agrada e o que está no estilo de vida que pretende levar no país.

Em cidades mais turísticas, como Porto e Lisboa, os preços são mais elevados, mas nos arredores dessas cidades é possível comprar imóveis bons, maiores e com melhores preços.

Se o objetivo é comprar um imóvel para investir, o ideal é que seja nos grandes centros, seja para aluguel de curta temporada ou para residência, são nas principais cidades que estão as grandes demandas e você pode conseguir um retorno mais no investimento.

Lisboa é mais caro para comprar casa em Portugal
Lisboa possui o metro quadrado mais caro para comprar casa em Portugal.

Descubra as melhores cidades para viver em Portugal de acordo com o seu perfil.

Autorização de residência através de compra de imóvel em Portugal

Dependendo do valor do imóvel que você pretende comprar em Portugal e da localização, é possível solicitar o visto de residência permanente ou Golden Visa.

Outra dúvida bem comum é se comprar imóvel em Portugal ganha cidadania, veja a nossa explicação sobre o assunto neste artigo. Se você precisa de ajuda para comprar casa em Portugal, desde encontrar a casa perfeita, encontrar a melhor solução de financiamento ou até mesmo rentabilizar o imóvel, indicamos obter ajuda de uma consultoria.

Vale a pena comprar casa em Portugal?

Sim.

Especialmente para quem pretende financiar. Em Portugal, o financiamento imobiliário é muito atrativo, vale mais a pena comprar um imóvel do que alugar. O valor mensal de um financiamento é menor que o pago nos aluguéis, que sofrem com a pressão turística.

Os juros do Brasil são elevados, especialmente quando se trata do financiamento imobiliário. Com taxas que chegam a quase 10% em alguns bancos, o valor do financiamento a longo prazo é imprevisível, podendo as parcelas aumentarem mais do que o previsto. Por outro lado, em Portugal, muitas instituições oferecem juros fixos ou mistos, nos quais é possível saber o valor a ser pago do início ao fim do empréstimo.

Se você pretende comprar casa em Portugal enviando todo o dinheiro da compra do Brasil, pode não ser a melhor escolha. Com o real a bastante desvalorizado as suas economias em Portugal podem se reduzir a valores bem baixos. Por isso, se for o caso, envie apenas o necessário para dar entrada e depois vá enviando aos poucos. Se você pretende trabalhar em Portugal, em algum momento vai começar a ganhar em euro e o valor das parcelas é bem leve no orçamento.

Mas no fim das contas, quem tem a resposta para esta pergunta é você, vale a pena para você investir em um imóvel em Portugal? Considerando tudo que apresentamos é possível conhecer melhor o panorama do país e avaliar as condições de compra antes de decidir.

Casas a venda em Portugal baratas, ainda existem?

Existem, mas é possível que você só encontre um imóvel barato em regiões mais interioranas do país. Nos distritos de Viseu, Vila Real, Beja – no Alentejo, entre outros, é possível encontrar imóveis a partir de 50 mil euros.

Em Viseu, por exemplo, encontramos um imóvel T2 com de até 70 m² a partir de 80 mil euros. Já em Évora, encontramos muitos imóveis de dois quartos entre 50 e 60 m² na faixa de 100 mil euros.

Mas você deve ponderar a qualidade de vida e oportunidades de trabalho nessas regiões, elas são menos desenvolvidas e pode ser um investimento ruim.

Outra possibilidade é comprar imóveis mais antigos em regiões melhores, um apartamento de dois quartos antigo, sem nenhuma reforma, no Porto, pode ser comprado por cerca de 100 mil euros. Você vai precisar investir no imóvel e fazer boas reformas, mas é uma boa oportunidade.

Dúvidas frequentes sobre comprar casa em Portugal

Separamos quatro dúvidas bem frequentes entre os nossos leitores para respondê-las de forma bem simples.

Quais os impostos na compra de casa em Portugal?

Pagar imposto ao comprar casa em Portugal é comum, assim como acontece no Brasil. Em Portugal, os impostos que incidem nesse tipo de transação são:

  • IMI – Imposto Municipal sobre Imóveis, pago anualmente;
  • IMT – Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis, pago apenas na compra e sobre o valor declarado na escritura;
  • Imposto de Selo, incide sobre todos os documentos, contratos, títulos, escrituras, etc.

Como comprar casa em Portugal a partir do Brasil?

Você tem a opção de utilizar os sites específicos de compra e venda de imóveis, tais como:

Assim como pode procurar através das imobiliárias e contar com a ajuda de um corretor. Há também o projeto Chaves na Mão, que pode ser de grande ajuda para quem busca comprar casa em Portugal estando no Brasil.

Como comprar casa em Portugal sem renda?

Se souber como, me fala!

É difícil comprar casa em Portugal ou em qualquer lugar do mundo sem renda. Você precisar ter dinheiro suficiente para realizar a compra de um imóvel, seja ele à vista ou financiado. Portanto, precisa ter algum tipo de renda.

Como comprar casa a vista em Portugal?

Basta ter o dinheiro suficiente para realizar o pagamento do imóvel. No início deste artigo, listamos alguns documentos que serão necessários para comprar casa em Portugal. Você vai precisar apresentar um comprovante de onde vem esse dinheiro, assim como vai precisar utilizar plataformas de envio para fazer a remessa de dinheiro para Portugal. Por norma do Banco Central, as plataformas vão pedir para que você envie a sua declaração de imposto de renda para verificar se o dinheiro é legal.

Artigo originalmente publicado no site Euro Dicas

Investimento em Real Estate: Uma das Portas de Acesso ao Golden Visa Portugal

By | Artigos, Golden Visa, Imobiliário | No Comments

O Golden Visa Portugal é um caminho bastante atrativo para os investidores que desejam aceder ao Espaço Europeu e obter uma cidadania europeia. O programa Golden Visa de Portugal foi criado em 2012 para atrair capital estrangeiro e dinamizar a economia do país. Trata-se de uma autorização de residência para atividades de investimento (ARI) em troca de um investimento qualificado no país. 

Portugal oferece atualmente o melhor programa de Golden Visa da Europa, seja pela diversidade de opções de aplicação de capital, seja pelos valores mínimos de investimentos mais baixos do que os exigidos em outros países. Além disso, no programa português, o requerente não é obrigado a residir no país, sendo necessária, apenas, a estadia de 7-14 dias por ano em Portugal durante o período dos 5 anos de investimento. E após esse prazo de 5 anos, já é possível requerer a cidadania portuguesa.

Saiba tudo sobre o Golden Visa Portugal

 

Aquisição de bens imóveis: o investimento mais procurado

Entre as opções de investimento elegíveis ao Golden Visa, a mais popular ainda é a aquisição de imóveis em Portugal. Em 2021, os investimentos em Real Estate representaram um total de 87% das Autorizações de Residência para Atividade de Investimento (ARI) no país, de acordo com o SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras).

 

Get to know the Golden Visa Portugal of 280 thousand Euros


Quais as restrições atuais quanto à localização/utilização de imóveis elegíveis ao Golden Visa?

A partir de 2022, algumas restrições foram impostas quanto à localização/utilização de imóveis para fins de pedido de Golden Visa. Passaram a ser inelegíveis os imóveis adquiridos para fins residenciais que estejam localizados em áreas de alta densidade populacional. Áreas urbanas, como Lisboa e Porto, ficaram disponíveis apenas para compra de imóveis com fins comerciais e turísticos. Anteriormente, não havia impedimento geográfico para essa modalidade. Para fins comerciais ou de serviços relativamente ao uso do imóvel não há impeditivo de localização, ou seja, é possível realizar o investimento imobiliário em todo o país. 

 

Quais os valores mínimos de investimento em Real Estate para obtenção do Golden Visa?

É possível habilitar-se ao Golden Visa através da aquisição de um ou mais imóveis cuja soma dos valores investidos seja de, no mínimo, € 500.000. Os imóveis vocacionados para habitação, como dito anteriormente, devem estar localizados em zonas do interior continental e das ilhas da Madeira e dos Açores. 

Contudo, este valor mínimo passa a € 350.000,00 quando se tratar de imóvel voltado para reabilitação. Nesses casos, o imóvel precisa ter mais de 30 anos ou estar localizado em Área de Reabilitação Urbana (ARU). Essa foi uma maneira encontrada pelo governo português para promover a reabilitação das cidades e dos imóveis antigos. As delimitações geográficas (para ARU) são estabelecidas por cada Câmara Municipal. 

Adicionalmente, os referidos valores podem ser reduzidos em 20%, caso a propriedade esteja localizada em zona de baixa densidade demográfica, o que também é definido pela autoridade pública (por lei). Desse modo, os valores mínimos podem chegar a €280.000 quando localizados em determinadas áreas e desde que o imóvel seja voltado para reabilitação.

Os Imóveis para comércio e serviços também precisam ter um valor mínimo de € 500.000,00. Nesse caso, não há limitação geográfica. O valor mínimo passa a € 350.000,00 quando se tratar de imóvel voltado para reabilitação e também nesse caso os valores podem ser reduzidos em 20% na hipótese do imóvel estar localizado em zona de baixa densidade demográfica.

 

Principais vantagens em investir no mercado imobiliário português 

Mesmo num cenário em que os imóveis habitacionais não são mais elegíveis ao GV nos grandes centros urbanos, entendemos que o investimento no mercado imobiliário ainda pode ser bastante interessante pelos seguintes motivos:

 

  1. Valores Atrativos: De uma maneira geral, os valores dos imóveis em Portugal são bastante competitivos face ao valor de imóveis semelhantes em outros países localizados na União Europeia, com possibilidade de retornos atraentes para os investidores, em moeda forte e num país de contexto estável;
  2. Turismo Competitivo: Portugal tem um turismo muito competitivo, não apenas na capital mas em todo o continente e nas ilhas. Num cenário de pós-pandemia, espera-se um retorno rápido e expressivo do turismo no país, com número já a superar valores de 2019. Assim, imóveis destinados a aluguéis para turistas podem apresentar boas taxas de retorno do investimento.
  3. Expatriados/Nomads: Portugal tem se tornado cada vez mais atrativos para expatriados com alto poder aquisitivo, que buscam imóveis para estabelecimento da sua moradia. De facto a maior parte visa fixar a sua residência nas cidades de Lisboa e do Porto, entretanto a procura por cidades menores ou pelas ilhas vem aumentando, assim como os esforços do Governo para povoação do interior do país.
  4. Demanda Interna: A demanda interna também esteve bastante aquecida nos últimos anos e assim continua, apesar do cenário de instabilidade internacional. Neste sentido, destaca-se que ainda não há oferta suficiente no país para atender as demandas interna e externa, em especial nas grandes cidades.  
  5. Juros baixos: Apesar da previsão de um aumento global nas taxas de juros, na Europa prevê-se uma subida de forma mais lenta e gradual comparativamente aos Estados Unidos ou Inglaterra. Em especial, em Portugal a Euribor de 12 meses passou de taxas negativas para 1% em 2022, com previsões para 2% até ao final de 2023, ainda assim valores bastante atrativos a nível mundial.
  6. Produtos atrativos para comércio/serviço nas grandes cidades: Com a alteração da lei que retirou a elegibilidade dos imóveis habitacionais nos grandes centros urbanos de Lisboa e do Porto, os investimentos para o GV em imóveis comerciais ou de serviços vem crescendo em oferta. Salas comerciais, lojas e galpões industriais são elegíveis para o GV e existem excelentes ofertas no mercado. Lembrando que esse tipo de operação, normalmente, está atrelado a um aluguel comercial, de longo prazo, garantindo uma rentabilidade para o investidor, além da valorização do imóvel.
  7. Produtos imobiliários destinados ao mercado de Hotelaria: O programa GV é responsável por um importante impulso para a renovação do parque hoteleiro de Portugal e o mercado oferece uma excelente oportunidade de investimento em diversas regiões do país, com destaque para o Algarve, Porto e Lisboa. O investidor GV pode adquirir unidades de hotéis, a partir de 280k, que serão reabilitados ou construídos, operados por grandes marcas como Hilton e Sheraton, e ainda desfrutar de férias durante o período de aplicação do GV. Um investimento interessante e com retorno, por vezes, garantido por uma operação de buy-back. Ademais, como se trata de imóveis com destinação comercial/serviço, os mesmos podem estar localizados grandes centros urbanos e serem elegíveis ao GV com as regras atuais. 

 

Deseja investir em imóveis em Portugal? A Atlantic Bridge te auxilia no seu processo de aplicação ao Golden Visa, fornecendo assessoria jurídica, consultoria imobiliária e de investimentos, necessários para uma operação tranquila e segura.

 

Fale agora com nossos consultores e saiba como investir em Portugal e obter o seu Golden Visa.

Prefere obter o Golden Visa através de aplicação em fundos de investimento? Conheça todas as vantagens desta modalidade clicando aqui.